From Indigenous Peoples in Brazil

News

Projetos minerais no Brasil atraem a Bolsa de Toronto

21/06/2021

Fonte: Valor Econômico, Empresas, p. B4



Projetos minerais no Brasil atraem a Bolsa de Toronto
País é o terceiro em empresas listadas na bolsa canadense na América Latina, mas há potencial para triplicar participação

Por Ana Paula Machado

A Bolsa de Toronto especializada no setor de mineração quer aumentar a presença no Brasil. Hoje, o país já tem 36 empresas e 99 propriedades listadas na TMX Group. O Brasil é o terceiro maior mercado para a bolsa canadense na América Latina e, segundo Guillaume Legare, diretor do TMX Group na América do Sul, a meta é fazer com que o país cresça em em captação e listagem em até três vezes nos próximos dez anos.

"Há muito projeto no Brasil na área de mineração. Os investidores estão olhando para riscos e oportunidades na America Latina. Hoje, na TMX há 410 mineradoras latino-americanas listadas e mil propriedades", disse Legare. O mercado brasileiro está atrás do México e Peru, os dois maiores em captação na bolsa canadense.

Conforme o executivo, para atingir esse objetivo a instituição deve estruturar equipes locais para facilitar o acesso ao capital das mineradoras brasileiras. "É importante ajudar a posicionar melhor os projetos. Queremos facilitar o acesso do capital canedense em empresas em fase de exploração, etapa em que já se tem o projeto mais avançado."

Segundo ele, para isso, a bolsa firmou um memorando de entendimentos com o Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM) e a B3 para formar equipes de gestão locais que possam fazer essa ponte entre o capital e os projetos.

O executivo disse que a Bolsa de Toronto e as instituições brasileiras estão na fase de entender o mercado e dividir as expertises. "Temos regras que são importantes para o nosso mercado. O relatório geológico, por exemplo, é uma forma da mineradora comprovar as suas reservas e com isso dar mais credibilidade aos projeto."

A norma 43101 é reconhecida internacionalmente e segundo ele fornece um valor mais consistente e melhores para as empresas de mineração. "Estamos trabalhando com a B3 para trazer os benefícios do nosso mercado e as nossas normas e que isso possa fazer parte da solução para o mercado brasileiro."

Segundo Legare, o investidor internacional sabe que a 43101 faz diferença na decisão do aporte. "Queremos trabalhar com a B3 e trazer a experiência do Canadá, tanto no lado regulatório como no ecossistema para o setor mineral."

Ele ressaltou que os investidores canadenses estão mais atentos às questões de governança e ás iniciativas em ESG dos projetos de mineração. "Temos um programa com muito sucesso para acessar mercado, com uma equipe de gestão com experiência no mercado de capitais canadense. Então, a nossa intenção é conectar os projetos de mineração com os investidores internacionais", afirmou o executivo.

Na bolsa canadense, as empresas de mineração levantaram US $ 44 bilhões nos últimos cinco anos por meio de mais de 6.500 transações. Isso representa 52% do número de financiamentos públicos de mineração concluídos e 37% do capital acionário da mineração levantado globalmente.

"Percebemos que no pós-covid há uma oportunidade para posicionar melhor os projetos de exploração. Em 2020, tivemos 30% de aumento no financiamento e queremos aumentar os números em 2021. Percebemos que há uma preferência dos investidores por projetos em metais preciosos e aqueles usados em bateria."

Valor Econômico, 21/06/2021, Empresas, p. B4

https://valor.globo.com/empresas/noticia/2021/06/21/projetos-minerais-no-brasil-atraem-a-bolsa-de-toronto.ghtml
 

The news items published by the Indigenous Peoples in Brazil site are researched daily from a variety of media outlets and transcribed as presented by their original source. ISA is not responsible for the opinios expressed or errors contained in these texts. Please report any errors in the news items directly to the source